EU COMIGO MESMO

Minha alma anda aflita; parece possuir segredos. Ponho-me a conversar com ela, mas nada descubro; se mantêm quieta, muda… Contemplo o céu nublado, iluminado pelo brilho fraco do sol que prenuncia o crepúsculo, tingindo o horizonte de laranja… Tudo parece tão longe e fora do meu alcance, igual minha alma de mim… Não percebo o tempo passar e quando dou por mim a escuridão sorrateiramente me envolve e me seduz. Olho para os lados e não sinto ninguém. Apenas ouço o silêncio que ecoa na imensidão envolta pelo manto frio da insólita noite… Nem mesmo minha alma quer ter comigo… Sigo ali extenuado, pensativo e me surpreendo num momento socrático e ao mesmo tempo me bate um vazio, uma tristeza que vêem das profundezas das minhas entranhas e me enlaça, me aperta e me sufoca… o que é isso meu Pai? Sinto a intensidade do frio que entra pelas minhas vestes e atingi meu corpo, mas quero continuar ali ouvindo o silêncio do mundo exterior. Observo as poucas estrelas serem encobertas por nuvens negras que anunciam gotas gélidas que começam cair… O vento traz algumas para onde estou; sinto-as explodirem em minha face… Dentro da casa ouço o chiar da televisão ligada e uma música triste e melancólica toca no som da sala… Permaneço ali encolhido e mais uma vez tento conversar com minha alma… Quero tanto falar um pouco de mim, mas ela permanece silente… Sinto-a aflita… Parece querer guardar seus segredos… O que será que ela protege com tanto afinco? O que será que esconde por trás das muralharas intransponíveis desse silêncio ensurdecedor? Confesso que não sei… Recordo-me de Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses”. Como posso conhecer-me se não me permito saber de mim? Não encontro a resposta, mas sei que como ser ignorante e fraco iniciei minha jornada e somente aos pouco os segredo e mistérios da vida serão revelados… O galo canta anunciando alvorecer de um novo dia… Minha alma silenciosamente sorri… Parece indicar que é chegada a hora de seguir o caminho na busca da luz da razão…

Autor: Miqueas Liborio de Jesus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *